“Abençoado por servir…”

Experiência contada e vivida por Joice O. Cunha de Andrade – Guarujá

” … Minha avó materna se separou do meu avô, por problemas com bebidas. E então, depois de muitos anos, ela conheceu um homem muito bom e prestativo, que a ajudava em tudo e foram morar juntos. Como os netos (inclusive eu) já tínhamos um avô, então apelidamos carinhosamente o novo marido da minha avó de “Tio Preto”, pois ele era bem grandão e negro. Ele foi bem aceito pela família, inclusive pelo meu avô que se tornou seu grande amigo.

Quando eu ainda morava no interior, lembro de muitas vezes que ele e minha avó iam nos visitar e ele consertava as portas dos armários da minha mãe e também fez uma linda horta no nosso quintal; adorava nos levantar nas costas e fazia piada com tudo, sempre tinha uma história pra contar.

Depois de alguns anos juntos (minha avó e o tio Preto) não estavam se entendendo tão bem e acabaram se separando; mas ele continuava fazendo parte da família e sempre visitava minha avó para lhe oferecer ajuda no que ela precisasse, pois ele se alegrava muito em ajudar.

Então estas visitas foram ficando cada vez mais pausadas, longos períodos sem notícias. A última vez que minha avó o viu, ele já estava um pouco doente.

Assim, alguns anos atrás ele simplesmente não apareceu mais e ficamos pensando o que havia acontecido. Procuramos nos hospitais e perguntamos para algumas pessoas que o conheciam, mas ninguém sabia de nada. Minha avó ficou muito triste.

Hoje, 09/03/2013, fui à capela participar de mais um projeto Mãos que Ajudam e tudo parecia normal.

Fizemos os kits e fomos entregar no Asilo. Como havia muitas pessoas fiquei um pouco distante, somente observando a apresentação das crianças para aqueles lindos idosos. Depois de algumas apresentações ficamos sabendo que 3 idosos estavam fazendo aniversário e que teríamos um bolo e cantaríamos os parabéns para eles. Então foi quando eu decidi me aproximar um pouco mais e ver mais de perto estes felizes senhores que comemoravam mais um ano de vida!!Irmã Joice

Fui me desviando das pessoas e quando cheguei bem perto deles comecei a olhar um por um nos olhos. De repente, quem eu vejo? O meu “Tio Preto” de cadeira de rodas sorrindo e batendo palmas pelo seu próprio aniversário. Fiquei estática e sem saber o que fazer, fiquei em silêncio, observando e pensando em tudo o que ele já fez por nossa família.

Quando acabou os parabéns, consegui chegar bem perto dele e então perguntei se ele se lembrava de mim. Ele ficou pensativo e então, para ajudar, eu disse meu nome; foi quando ele abriu bem os olhos e disse o meu apelido, que somente minha família me chama.

Senti muita tristeza a princípio por não saber disso antes, pela solidão que ele deve ter sentido. Mas ao mesmo tempo senti que o Senhor me deu oportunidade de saber naquele momento e eu deveria aproveitar.

Minhas lágrimas foram caindo sem eu conseguir parar, foi inexplicável o sentimento que eu tive de gratidão ao Pai Celestial por aquele momento. Pude perceber que muitas vezes nós pensamos que vamos ajudar alguém, mas na realidade nós estamos indo para sermos ajudados.

Conversamos por algum tempo e enquanto o ajudava a comer o bolo de aniversário.

Joice 2

Ele não lembrava de muitas coisas, pois estava com a “memória um pouco fraca”, mas prometi a ele que iria visitá-lo sempre e que falaria para a minha família que o havia encontrado, então ele agradeceu e sorriu. Disse que estaria sempre me esperando lá e que ficaria muito feliz com a minha visita.

Presto meu testemunho de que todos os programas da Igreja são inspirados por Deus, se desejamos ser moldados e aperfeiçoados, devemos fazer o que nos foi pedido. É maravilhoso ver a mão de Senhor nos ajudando e mostrando que também devemos ajudar aos que necessitam de nós.

Nunca mais vou esquecer essa experiência maravilhosa; isso transformou minha vida e aumentou muito mais meu testemunho. “

Anúncios

Sobre autossuficienciabrasil

Destinado a troca de know-how entre os Especialistas de Autossuficiência de Alas e Estacas
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.